O Tio…

image

– Caramba mulher, fecha o vidro lá vem um daqueles meninos de rua pedir dinheiro.

(É incrível como as pessoas tem facilidade para fugir de problemas sociais)

– Nossa amor, ele deve estar com fome, olha, deve ter no máximo 8 anos, vamos dar umas moedas para ele, eu tenho uns biscoitos na minha bolsa.

(A famosa bolsa feminina, cabe de tudo, desde maquiagem à alimentação básica para dez menores carentes).

– Tá, tá bom, mas seja rápida.
– Amor, ele está indo para o seu lado do carro.
– Sempre sobra pra mim, a idéia foi sua, mas eu que tenho que executá-la, dá aí as moedas e os biscoitos.

(Se aquela história de que dado com má vontade faz mal fosse verdade, coitado desse menino, mas essa má vontade era mais por preguiça que por ruindade)

– Oi tio, bom dia tio, o senhor não tem nenhuma moeda pra me ajudar a comprar o café da manhã?
– Você quer dinheiro pra comprar drogas?

(A desconfiança é triste)

– Não tio, eu acabei de falar que é pra comprar o café!
– Não é pra comprar álcool ou cigarros pra sua mãe ou seu pai, tem certeza?
– Tio, eu acho que a primeira coisa que eu falei foi o motivo. É PRA COMPRAR MEU CAFÉ DA MANHÃ, e se sobrar já “intéro” no almoço.

(Ou é chato de natureza, ou está tentando vencer pelo cansaço, e se continuar assim vai conseguir fazer o menino desistir das moedas)

– Sabe o que é menino, eu tenho que me certificar, caso contrário estarei ajudando a financiar o crime, ou a te levar para ele, você me entende né?
– O que eu entendo é que o farol já abriu, o senhor tá na encolha (querendo negar ajuda) e eu perdi de pedir para os outros motoristas, e pelo jeito não vou conseguir nada aqui.
– Calma menino, pra quem tá precisando, você é muito bruto.
– Tio se tá tão desconfiado e sem pressa, vamos comigo na lanchonete e o senhor compra o meu lanche, tá bom?
– Muito boa opção menino, você é um rapazinho muito esperto, você frequenta a escola?
– Eu respondo o que o senhor quiser, Tio, mas que tal se for no caminho da lanchonete?
– Claro, claro, vamos então. Amor, você vem com a gente?
– Não, pode ir vocês dois, vou na lavanderia enquanto isso, tá bom?
– Pra mim está ótimo, tchau! Então menino frequenta ou não a escola? Você parece ser um rapaz inteligente.
– Eu vou sim pra escola Tio, mas agora estou de férias, peço dinheiro pra comer, e guardo parte pra comprar meus materiais.
– Muito bom, e seus pais, trabalham?
– Meu pai está preso Tio, e minha mãe tem que cuidar dos meus irmãos, a gente se vira como pode, tento ajudar.
– Nossa que triste, deve ser duro né?
– Não me leve a mau Tio, mas o duro mesmo é todos pensarem que o dinheiro que peço é pra drogas e vícios dos meus pais.

(O Tio fica vermelho como um pimentão, de vergonha)

– Me desculpe, mas reforço, você é um rapazinho esperto demais pra sua idade! Obrigado, pode servir o que o rapazinho pedir que é tudo por minha conta.

(Depois de uma conversa muito interessante, em que o homem descobre por trás de roupas rasgadas e uma pele sujinha uma criança adorável e inteligente, ele paga a conta para irem embora)

– Muito obrigado Tio, pelo lanche, agora eu tenho que ir, preciso adiantar ainda mais meu dia.
– Calma aí, olha só, eu vou te dar um dinheiro pra você comprar parte dos seus materiais, ou ajudar em casa, o que você preferir, você é uma criança maravilhosa e não merece estar nessa situação.
– Tio posso lançar a real?
– Como?
– Posso falar a verdade?
– Ah sim, claro!
– É sempre assim, os adultos que chegam enchendo a gente de pergunta do tipo “é pra comprar drogas?”, parecem ser os mais chatos, mas na verdade são os mais legais e generosos e só querem o nosso bem, a gente finge que não sabe, mas é que criança nenhuma gosta de sermão, e o maior prazer que a gente tem nas ruas é conhecer Tios como o senhor, muito obrigado viu!

(Com um nó na garganta, e uma lágrima de emoção querendo sair, ele dá um beijo no menino, não consegue dizer nada e vai embora pensando, que seria muito bom se crianças de rua fossem como aqueles animaizinhos que são abandonados por seus donos, que a gente acha na rua e simplesmente pode levar para casa para cuidar e dizer que é nosso)

Gill Nascimento

Anúncios
Deixe um comentário

9 Comentários

  1. Olha Gil, nossa sociedade vem plantando há muitas décadas coisas assim, situações como esta que você descreveu lindamente.
    Ruim mesmo é perceber que os maiores agricultores desta safra ainda apreciam esta colheita. Não querem parar de coisas assim plantar. Ao contrário, fácil de se ver na sociedade a revolta quando um governo, mesmo repleto das mesmas falcatruas de sempre, faz alguns movimentos tímidos para mitigar tamanha humilhação e constrangimento que impomos aos menos favorecidos.
    Ainda ao contrário, os movimentos sociais da elite que controla o país há tantas décadas, se não séculos, são no sentido de aplicar os velhos e sonoros GOLPES.
    Em resumo, GOLPISTAS.
    E, preste atenção, pinto não tem ombro. O pior ainda está por vir.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  2. Republicou isso em Gustavo Hortae comentado:
    Olha Gil, nossa sociedade vem plantando há muitas décadas coisas assim, situações como esta que você descreveu lindamente.
    Ruim mesmo é perceber que os maiores agricultores desta safra ainda apreciam esta colheita. Não querem parar de coisas assim plantar. Ao contrário, fácil de se ver na sociedade a revolta quando um governo, mesmo repleto das mesmas falcatruas de sempre, faz alguns movimentos tímidos para mitigar tamanha humilhação e constrangimento que impomos aos menos favorecidos.
    Ainda ao contrário, os movimentos sociais da elite que controla o país há tantas décadas, se não séculos, são no sentido de aplicar os velhos e sonoros GOLPES.
    Em resumo, GOLPISTAS.
    E, preste atenção, pinto não tem ombro. O pior ainda está por vir.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  3. A vergonha da maldade nos afasta da bondade. A cura, talvez, esteja dentro da bolsa da mulher.

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  4. Me dá um aperto no coração quando vejo essas coisas miudas pedindo algo! Eu geralmente não tenho dinheiro na bolsa, mas sempre tô com lanche, um pão, uma bolacha, uma fruta e não me nego a entregar para alguem, seja criança, adulto, idoso..

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • Em mim da uma mistura de sentimentos, mas os que mais se destacam são o aperto no coração e a revolta com o Governo que nos suga o sangue em impostos e nos retribui dessa maneira!

      Curtir

      Responder
  5. Se as escolas em períodos de férias ficassem abertas com recreações e refeições, com certeza tiraria muitas crianças dos semáforos.

    Falta é vontade para os Prefeitos fazerem isso! Que devem “lembrar” no ano que vem onde haverá Eleição para esse cargo…

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • Aqui em São Paulo, boa parte das escolas municipais têm algo à oferecer para as crianças aos fins de semana, principalmente os CEUs, mas elas geralmente trabalham no meio de semana mesmo, as vezes bem estudam, dói ainda mais se pensar que essas crianças ao invés de estar em se divertindo nos fins de semana com os amigos, estão descansando por estarem exaustas por trabalharem nós faróis.

      Curtido por 1 pessoa

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: