Quem foram nossos pais?

image

E aí pessoal, tudo bem com vocês?
Fazia um tempo que eu não postava um Papo de Bar não é mesmo?
Mas eis que estou aqui.
Na última sexta feira me reuni com uns amigos num barzinho na Vila Madalena, pra colocarmos o papo em dia, matarmos a saudade e falarmos um bocado de bobagens, como sempre, e olha que legal, o papo rendeu um artigo.
O assunto foi bem interessante, e surgiu logo de início, quando começamos a falar de nossas crianças, de como elas estão e o que elas têm aprontado ultimamente.
É legal sabe, perceber que a paranóia que tínhamos antes não existe mais, quando imaginávamos, na época em que nossas crianças eram bebês, como seriam as conversas de bar quando elas crescessem. Nos imaginávamos velhos e nada mais que isso. Mas cá chegamos nós, pais babões e orgulhosos, e não mais jovens, mas com prazer de falar de nossas crianças.
Mas o assunto nem é esse, se é o que estão presumindo.
Um dos meus amigos, o mais velho e pai a mais tempo, pai de uma adolescente linda de 14 anos, comentou o fato de ela já estar falando de garotos. Aí foi a hora em que eu não resisti de comentar que ele também já deixou muitos pais de lindas mocinhas, com cabelos brancos de preocupação, na sua época de adolescente. Ele foi obrigado a concordar.
Então começamos à pensar: “Como teria sido a nossa infância e adolescência se nossos pais tivessem falado a realidade sobre a infância e adolescência deles próprios?”.
Porque você aí, caro leitor ou leitora adolescente, tenho o prazer de informar que seus pais não foram santos.
Eu sempre soube que meu pai era o pior dos piores, graças ao fato de ter sido aluno de uma professora que também foi professora dele durante 4 anos. Então sei muitas histórias dele, e confesso, puxei o talento dele pra aprontar.
Já dá minha mãe eu não sei quase nada, só que ela gostava de um novinho, pois é 6 anos mais velha que meu pai e, quando eu nasci, ele tinha apenas 17 anos.
Será que minha mãe aprontava muito?
Será que ela saía à noite, passava da hora estipulada pelos meus avós, e ficava de castigo por vários dias?
Será que ela já tomou porre com as amigas e pagou mico na balada?
Será que ela já foi parar na diretoria da escola por cabular aula pra ficar namorando em algum canto escondido do Colégio?
E o que teria mudado na minha vida se eu tivesse conhecimento de tais informações?
Um amigo meu citou que certa vez um amigo de seu pai contou, que seu velho fumava muita maconha na época da escola. E que era um dos piores alunos também.
E concluiu que deve ser por isso que era tão rígido que com ele na época da adolescência.
Já outro disse que a tia contou que sua mãe era muito namoradora, que trocava mais de namorado do que de roupa.
E então imaginou que foi por isso que a mãe dele era tão rígida com ele no quesito namorar.
Já o outro comentou que seus avós certa vez comentaram que achavam que sua mãe tinha algum problema, pois não tinha amigos, era muito quieta e não saía na adolescência.
E então todos nós concluímos que por isso ele, de todos nós, era o que tinha mais liberdade na adolescência, pra sair e se divertir.
E eu?
Bem, minha mãe era a mais rígida de todas, então tenho medo de saber o que ela aprontou.
Porque aparentemente parece que os pais querem que seus filhos não passem pelo que eles passaram. Principalmente as mães.
O problema é que elas só lembram das partes ruins, e não querem o mesmo pra gente, mas esquecem das partes boas. Porque garanto que, se aprontaram, com certeza se divertiram.
Então tomamos a decisão de ser com os nossos pais na hora de educar nossos próprios filhos e filhas.
Quando as crianças quiserem algo, mandaremos pedir para as mães.
Elas que fiquem com a fama de serem ruins.

_

Gill Nascimento

Anúncios
Deixe um comentário

36 Comentários

  1. Tens um desafio no meu blogue.
    Sem compromisso claro 😉

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  2. Hahahhahah e não é que meu pai sempre me fala “pergunta/pede pra sua mãe?!!” E ai ela toma toda a fama de malvada haha
    Meu pai sempre aprontou muito na adolescência, mas ele sempre foi o mais liberal. Ao contrario dos pais de seus amigos e seu (e da maioria dos pais dos meus amigos!) ele quer que eu aproveite tudo que a vida pode me dar 😉 admiro mt isso!
    Já minha mãe.. Vish hahahha acho que por ela ter me tido muito cedo, ela nunca quis que eu cometesse o mesmo acontecimento, ela sempre diz que não se arrepende, mas eu sei que isso a tirou de varias oportunidades que poderiam ter surgido ao longo da adolescência dela! ;’)
    Hoje, ela já não é mais tão rígida, mas ainda assim pega no meu pé hahaha
    Beijo!

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
    • O meu na verdade era de boa Lê, até demais, já minha mãe era e ainda é uma Coronel do mal kkkkkkk
      Nem viu o texto que dediquei pra você e pra Ju de ontem né? kkkkkkk
      Tenha um lindo dia…

      Beijooos

      Curtir

      Responder
  3. Meu pai não era muito de aprontar não ele conta que começou a trabalhar muito cedo. Por que o meu avô o dinheiro que ganhava não botava um pão dentro de casa. Minha mãe de vez em quando conta as peripécias dela. Os dois são de boa com as minhas saídas.

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  4. As mães sempre sofrem mesmo. rsrsrsrs
    Meus pais aprontaram muito, sei de cada história de arrepiar, e isso realmente faz entender algumas atitudes deles em relação aos filhos.
    Adorei o Papo de Bar, rendeu um post maravilhoso.
    Bjs

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  5. jeehlopes1

     /  6 de outubro de 2015

    “Quando as crianças quiserem algo, mandaremos pedir para as mães”.
    Quem vê pensa que vocês, papais, são assim tao liberais. Conheço um cara que esses dias quase enfartou porque imaginou a possibilidade da filha ter colocado um piercing sem pedir permissão, comunicando apenas a mãe. Hahahaha
    Aqui em casa, meu pai sempre foi o mais rígido. Ciumento nível máximo com a caçula dele. Talvez porque foi um jovem pegador e sabia que ainda existiam muitos de sua espécie soltos por aí. Todas as decisões que diziam respeito a mim deveriam passar pelo crivo dele. Quem dera minha mae tivesse esse poder de decisão… Teria sido muito mais feliz. Ela tbm sofreu com o pai ciumento e sempre dizia que eu “deveria curtir a vida”. Que mae maravilhosa!!! 🙂 hahahhaha
    Não sinto saudades dos ciúmes hahaha, mas sinto saudades daquela sensação de que eu era a coisa mais importante da vida dele e que por isso precisava ser protegida.
    Belo texto, papai babão!
    Beijos :-*

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • Não espalha minhas loucuras momentâneas mulher kkkkkkk
      Aposto que no fundo seu pai ainda sente ciúmes… E sim, quando é filha mulher as rédeas é do pai mesmo, ninguém mexe no nosso tesouro kkkkk

      Beijos e um lindo dia ^^

      Curtido por 1 pessoa

      Responder
  6. rs.. É bem assim, o meu pai sempre mandava a gente pedir tudo para mamis e agora não é diferente, o meu marido faz o mesmo…rs… E realmente eles exigiram de nós o que foram reprimidos na infância e adolescência, sempre assim…. Beijokas

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  7. A mãe sempre é a malvada e o pai o bonzinho. Lá em casa sempre foi diferente. Minha mãe sempre foi companheira e vc tem razão é muito bom quando temos a oportunidade de saber que eles não são apenas mãe e pai.
    Que foram jovens… que viveram. Isso faz com que passemos a compreender melhor muitas das atitudes deles.
    Excelente texto Gill, como sempre. Me fez recordar as conversas com a minha mãe. ☺😊😁

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  8. Conheço algumas histórias referentes aos meus pais, mas sempre parece algo tão distante, não? Chega a ser estranho olha-los sabendo que um dia estiveram nessa mesma fase que eu, e fazendo coisas tão ou até piores do que eu faço. É estranho imaginar eles passando pelos mesmos dilemas, mesmos problemas. rs

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  9. Adorei o post! Conheço apenas algumas histórias sobre meus pais, mas, no geral, meu pai aprontava mais que minha mãe, pelo que eu sei hahah. Mas quando peço alguma coisa muitas das vezes meu pai fala para eu pedir à minha mãe, frase típica não é? Mas no geral eles não são tão rígidos comigo, até porque não sou de aprontar muito. Mas quando paro e penso sobre quando eles tinham minha idade como era e se passavam pelos mesmo problemas e questionamentos que eu, é um tanto estranho.
    Abraços!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  10. Meu pai era marinheiro. Minha mãe argentina. Melhor não perguntar tanto.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  11. Ser pai e mãe sempre foi e deveria continuar sendo levada muito a sério pelos que se aventuram nessa empreitada. É é claro que quando se tem diálogo é sempre mais benéfica a relação. Quando a pessoa confia em você para dizer algo você tem um maior respeito e não só o temor que as vezes sem querer muitos pais acometem. Não é uma tarefa fácil educar. Mas, é importante compreender que se ensina muito mais coisas quando não se quer dizer nada do que com palavras.

    Parabéns pelo tema… é sempre bom fazer esses vai e volta na história da nossa vida e compartilhar vivências melhor ainda…

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  12. “Ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais.” (Belchior)

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  13. Meus pais não aprontaram . Quando não queriam nos deixar fazer alguma coisa, usavam do jogo de empurra : “Pede pra tua mãe , se ela deixar … ou pede pra teu pai , se ele deixar…”

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  14. Quando os dois não são bonzinhos é porque aprontaram muito?! Hsuahsuahsua
    Belo texto!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: