Desapegando…

image

Estava um dia desses, deitado em meu sofá, móvel que possui o hábito de me fazer pensar demais nas coisas, e nessa ocasião não foi diferente.
Comecei a pensar em tudo que possuí e não faz mais parte da minha vida, porque perdi, ou porque eu mesmo me desfiz. Em alguns casos me lembrei de como foi o processo de desapego, em outros não, mas dos que me voltaram a memória, lembro que, na grande maioria, o motivo foi o simples fato da perda do encanto.
E então me dei conta de que adoraria não ter me desfeito de muitas dessas coisas que fizeram parte de minha vida.
Mais à noite, ao encontrar um amigo para colocar o papo em dia, toquei nesse assunto, e pra minha surpresa, obtive uma resposta tão poética e sábia, que me fez repensar muito meus critérios na hora de deixar algo de lado.
Ele me contou que há um tempo atrás ia vender o carro que pertenceu ao seu pai, e que herdou após seu falecimento. Na hora em que estava escrevendo os detalhes do anúncio que colocaria em um site da internet, descrevendo as especificações do veículo, começou a pensar nos detalhes especiais, além dos detalhes técnicos.
De como o carro tinha um cheiro interior já tão familiar, como se fosse um perfume carregado de lembranças boas, das viagens que fizeram, das brincadeiras que faziam para se distrair durante o percurso, dos momentos de pai e filho enquanto lavavam ele, e de como o pai ficou feliz quando saiu dirigindo ele da loja no dia em que comprou.
Percebeu o quanto aquele carro havia participado dos momentos felizes na vida da sua família, como se fosse um verdadeiro membro. E então desistiu da venda, porque sabia que se arrependeria, e concluiu que mesmo sendo um carro antigo, ele tinha um valor sentimental que ninguém aceitaria pagar, e mesmo se aceitassem, ele ainda sentiria que não seria o suficiente.
No final restaurou ele completamente, e hoje tem ele como um verdadeiro talismã, do qual não pensa nem um pouco em se desfazer.
Ele completou seu relato resumindo:
“As pessoas seriam muito mais felizes se pensassem nos motivos pelos quais vale a pena insistir, ao invés de pensarem tanto naquilo que as fazem querer desistir das coisas, porque, às vezes, por trás de algo existe uma linda história, que com o passar do tempo acabamos esquecendo, e a gente só precisa lembrar e contar ela para nós mesmos!”
Nunca havia pensado antes dessa forma, apesar de gostar de colocar poesia em minha vida, e isso abriu meus olhos.
Muitas vezes a vida vai passando, a gente vai seguindo nosso rumo, construindo nossa história, e esquecendo de como ela começou, vamos caminhando e deixando um longo rastro de  lembranças, que com o tempo, a poeira da estrada acaba cobrindo.
E o que é a vida, senão, além de todas as suas complexas definições, um emaranhado de conquistas que com o tempo acabam deixando de ser valorizadas?
Então decidi a partir de hoje contar essas histórias para mim mesmo, carregar essas lembranças bem seguras para que elas não caiam durante o caminhar, para que quando seja necessário eu me despedir de algo, eu pense bem, para depois não me arrepender.
No final, acho que esse nem e é um texto para alertar as pessoas a pensarem duas vezes antes de tirar algo de suas vidas, porque senão nos tornaríamos acumuladores.
Acho que, no fundo, esse texto é para alertar que aquilo que é importante na nossa vida, merece uma verdadeira despedida, para que fiquem as lembranças, e até mesmo a saudade, mas nunca o arrependimento.

_

Gill Nascimento

Anúncios
Deixe um comentário

54 Comentários

  1. E lembrei do meu pai 😦 e lembrei de q estou num processo de venda de apartamento deixado em um inventário.. e que não fui pra lá, desde q meu pai se foi. O ape dele..
    E me fez perceber q n posso vender.. sem antes ir lá, me despedir.. e lembrar do qt ele ficava feliz qd íamos visitá-lo. 😥
    Obrigada pelo post.. preciso superar a saudade e me despedir daquele lugar.

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  2. Talvez todas as pessoas que comentem suas postagens, de fato apreciem o texto. Mas, quero aqui expressar minha surpresa e agradecimento ao ler tal texto. Fico maravilhada com essas surpresas metafísicas que nos proporcionam momentos de reflexão. Ontem mesmo estive pensando sobre isso… Mas vc magistralmente conseguiu transformar minha ideia em texto. Obrigada por me ajudar pensar. Abraço.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  3. Absolutamente maravilhoso o texto! Obrigada por trazer um tema tão importante de forma tão especial!! Bravoooo!!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  4. vitorcris

     /  4 de fevereiro de 2016

    Meu Pai morreu em novembro do ano passado e eu não consigo olhar as fotos dele.Eu sofri a perda do meu irmão adotivo, quando tinha 14 anos pois fui adotada após minha mãe morrer. Eu não consigo olhar a foto do meu cachorrinho que ficou conosco 13 anos. Eu evito pensar na minha filha, a primeira que morreu de uma forma tão dolorida , morreu com dois meses, mais precisamente no dia que completou 2 meses. Eu sofri até os 14 anos a perda da minha mãe verdadeira, quando eu tinha 3 anos. Acho que foram tantas perdas e por ter sentido tanto a falta da minha mãe, não necessariamente falta , e sim aquilo que não vivi com ela, já que eu era muito criança.
    Creio que vai demorar muito pra que eu olhe a foto do meu Pai sem sofrer, pois do meu cachorrinho apesar de já ter completado dois anos ainda não consigo. Já consigo olhar a foto da minha mãe e do meu irmão sem sentir tanto. Apenas o tempo cura.E devemos nos desapegar até da dor, embora não seja fácil!

    Curtido por 3 pessoas

    Responder
    • Nossa, também não sei lidar muito com esse tipo de perda, nem consigo ir em velórios ou enterros, a única vez que fui, parei no hospital, a dor é a mais difícil de se desapegar, mas vale a pena lutar por isso! Força aí, e felicidades sempre!

      Curtir

      Responder
  5. Já escrevi, apaguei, escrevi de novo, porque até me perco entre as palavras para expressar o que senti quando eu li esse texto. Incrível!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  6. Sinceramente, amei *-*
    Antes de desapegar é sempre bom avaliar mesmo e relembrar o valor das coisas e pessoas! Mas as vezes é necessário desapegar e não tem jeito rsrsrs

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  7. Ótima reflexão.
    Essa é a essência, ter consigo somente o que lhe traz um sentido verdadeiro 😊

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  8. Nossa que legal seu texto adorei, me fez refletir bastante..Concordo com você..Incrivel cada dia gosto mais dos seus textos.
    http://www.petitluxo.com

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  9. Sensacional Gill! Vierem mil lembranças… Bjs

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  10. Belíssimo texto!!! ❤

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  11. Che bel post!
    E’ inevitabile separarsi da cose o persone nella vita. Certo il bello sarebbe sempre non doverlo fare, però se rousciamo, come dici tu, a pensare alle cose belle , ai profumi che ci ricordano molte cose rimarebbero con noi. Però l’importante è portarle nel cuore, sempre. Quando sono nel cuore nulla se ne va, nulla muore.
    Bacio.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  12. Lindo demais ❤ ❤

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  13. “As pessoas seriam muito mais felizes se pensassem nos motivos pelos quais vale a pena insistir, ao invés de pensarem tanto naquilo que as fazem querer desistir…”
    Vou levar isso pra vida!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  14. Texto realmente lindo e sincero!!! Ultimamente estou no espírito tão desapegado que por um momento me esqueci desses detalhes importantes, lembranças de uma história.

    Rendeu uma ótima reflexão!

    Estava com saudade de seus textos, minhas aulas começaram e tô meio sem tempo para acompanhar todos. Haha

    Beijos!!! Sucesso!

    arcoirisduplo.wordpress.com

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  15. É… muito bonito!
    O desapego é difícil e muitas vezes necessário, mas cabe a nós distinguir o que é necessário ir e o que é necessário recomeçar.
    Ficou lindo esse post Gill😊
    Super beijo

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  16. Mais um texto inspirador e bastante reflexivo!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  17. Olá a pessoa mais acumuladora do mundo (e exagerada também haha) ama seus textos e por isso te indicou ao Prêmio Dardos. Olha lá: https://feitobailarina.wordpress.com/2016/02/06/premio-dardos/
    Beijo :*

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  18. Desapego…despedida…saudade…sua conclusão foi fantástica, principalmente por incluir o “sem arrependimento”. Objetivo de vida, essa é uma busca incessante. Parabéns!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  19. Carambaaaa, AMEI. Você teve a coragem de expressar o que poucos tem. Desapego e Saudade fazem parte da luta diária de Vanessa Melo. 😀
    (Sou dessas, falo em terceira pessoa kkkk)
    Abraço.
    Parabéns pelo post e pelo blog.
    Vanessa Melo
    http://meloemulkey.com/

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • Sim, há um tempo atrás escrevi um texto sobre a dificuldade que tenho pra compartilhar alguns textos que escrevo, principalmente falando sobre sentimentos, o apoio dos leitores tem me encorajado muito, e desde então tenho compartilhado muitas reflexões além do bom humor normal nas crônicas, e isso tem me feito muito bem, às vezes é como um desabafo, quase como um ombro amigo!

      Curtido por 1 pessoa

      Responder
  20. Temos medo do apego, do calor excessivo e de nos tornarmos escravos dele. E então queremos ser desapegados, nos treinamos para isso. Mas quando deixamos a emoção fluir, analisamos o que realmente vale a pena

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  21. Eva Camargo

     /  10 de fevereiro de 2016

    Eu gosto de acreditar que certas coisas devem virar histórias, outras cair no esquecimento. Muita gratidão por ter lido este texto hoje, me fez ver que também há outros que acreditam nisso como eu! Muito obrigada pela agradável leitura, parabéns pelo blog, é incrível! 😀

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  22. Pela Lei da abundância Divina temos e devemos que nos despegar das coisas que não mais são úteis para n´[ois !

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  23. importante fazer a manutenção da lembrança, mas existem certos apegos que não fazem bem à alma… eu sou por natureza desapegada de coisas… e me incomoda quem seja, mas meu apego é às pessoas…

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • Às coisas eu também não sou muito, mas tenho um apego especial as coisas que escrevo, tenho pilhas de cadernos, e não consigo passar para o computador para me desfazer deles, mesmo se eu passar não conseguiria!
      Tenha uma linda semana!

      Beijos!

      Curtido por 1 pessoa

      Responder
  1. Links da Blogosfera – Fev/2016 – ISABELLA CAS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: