Papo de Bar… O Mapa, a Bússola e o Tesouro!

image

O que o passado nos fala?
A verdade é que ele não nos fala nada, ele nos grita!
O passado é um amigo que vive nos lembrando as nossas cagadas, tentando nos mostrar onde erramos, tentando nos ensinar o que devemos corrigir a partir do momento em que ele deixa de ser o presente.
Meu avô dizia que o passado é o idoso que sempre tem uma lição para nos dar, ao passo que, o presente é aquela criança recém nascida que sempre precisa de cuidados e atenção total, enquanto isso o futuro é aquela grande paixão avassaladora que nos cega e nos faz agir sem pensar direito.
Foi com certeza uma das lições mais importantes que meu avô me deu.
O passado é um idoso amigo, e como todo tal, adora contar uma boa história, sempre retirando de nós as mais variadas reações, e sempre abrindo os nossos olhos. E como todo bom velhinho gente boa, o passado primeiro ensina, e só depois ele nos faz rir.
Mas quando o presente se torna realmente passado?
E quando realmente devemos deixar ele de lado?
Pensando nisso, tenho notado que, às vezes, essa criança recém nascida demora um pouco para envelhecer.
Coloquei esse assunto na mesa de um bar (grande novidade), e presenciei comentários muito interessantes.
Um amigo comentou que, o passado sempre tem uma lição para nos dar, mesmo quando esse passado é recente, se não há lições, então ainda não é passado, é presente, e ainda pode ser corrigido, ou melhorado.
É de se pensar, a lógica é que o presente se estende à frente, transformando o futuro em atualidade, mas se olharmos pelo lado dessa opinião, o passado é como um ponto num terreno que abrange um raio em sua volta, um domínio que ainda pode ser modificado.
Uma amiga fez outra analogia interessante. Segundo ela, o passado é o caminho acidentado e cheio de curvas que ficou para trás, e que não conseguimos enxergar quando olhamos pelo espelho retrovisor, mas que, quando paramos para fazer os reparos necessários para continuar a viagem, suas marcas estão ali, os pneus gastos, a suspensão danificada, o combustível acabando, e claro, no porta malas as lembrancinhas que fomos adquirindo em cada lugar que passamos. E como todo motorista experiente, quando precisarmos repetir esse trajeto, lembraremos de cada obstáculo, e saberemos contorná-los, saberemos onde estará cada radar, e reduziremos a velocidade para não tomarmos uma multa, estaremos cientes de quais são as melhores paradas para descansarmos, e então a viagem não terá mais tantas lições, mas terá muito mais prazeres.
Sempre pensei parecido.
E onde fica o futuro nessa história?
Ele é o destino planejado, mas desconhecido, que se encontra no fim dessa viagem.
Então entra uma dúvida que tenho vivido muito, atualmente.
Sendo o passado essa estrada, e nós os motoristas, existindo a possibilidade de refazer um dia essa viagem sem cometer os mesmos erros e minimizando os danos no nosso veículo de transporte (o veículo pode ser nesse caso o que você, leitor, achar melhor nessa analogia, no meu caso, o coração), será que existe a possibilidade de o destino ser então o mesmo?
Fiz essa pergunta na mesa para concluir o tema do Papo, e obtive uma resposta interessante do meu patrão:
“A gente pode sim vir um dia a refazer esse caminho, sem muitos danos, aproveitando mais as paradas, curtindo mais a paisagem, mas no fim, bem, durante toda a nossa vida a gente faz várias viagens de férias, sempre aprendendo cada vez melhor os caminhos, sempre amando cada vez mais os destinos, até que chega o dia em que refazemos uma viagem que sempre prometemos refazer, curtindo cada momento, cada visão do horizonte, e no fim, se torna uma viagem de aposentadoria, e não de férias.”
Repetimos vários destinos, refazemos vários caminhos, revemos várias paisagens, sempre aprimorando cada percurso. Até o dia em que encontramos o nosso lugar.
O passado é o mapa, o presente é a bússola, e o futuro o tesouro escondido. Sejamos nós os desbravadores!

_

Gill Nascimento

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

19 Comentários

  1. Vieira

     /  27 de junho de 2016

    É a mais pura verdade, “o passado é o mapa, o presente é a bússola, e o futuro o tesouro escondido. Sejamos nós os desbravadores!”

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  2. Barbara Reccanello

     /  27 de junho de 2016

    amei o texto!
    sou professora de história e esse texto caberia muitíssimo bem para estudar a importância de se estudar a historia! Eu sempre falo de que é importante analisarmos nossa própria história, imagina se a gente não estuda o passado de uma cidade, de um grupo, de um país!

    grande beijo,
    http://divinamaravilhosa.com

    Curtido por 2 pessoas

    Responder
  3. ótimo texto Gil! Seja bem vindo de volta!! Bjos

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  4. Il passato è importante, il passato è la strada che costruita piano pino dal presente ci accompagna verso il futuro. E’ la radice della nostra esistenza. Impossibile ignorarlo.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • Sì, esattamente, avevo piuttosto cercato di ignorarlo, di dimenticare le parti cattive, oggi appreso che questo è il più importante, fare sempre riferimento ad esso per ricordarci di cosa non fare in futuro!

      Curtir

      Responder
  5. Beatriz Santos

     /  28 de junho de 2016

    Gill, que texto lindo! Eu adorei! Então vamos desbravar! 😉

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  6. Nunca tinha pensado as coisas em forma de mapa, mais me parece bom.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  7. Ótimo artigo !

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: