Discutindo com um amigo…

 

 

Se tem uma coisa que eu odeio, essa coisa é a discussão, nunca levam a lugar algum, e quase sempre acabam mal, com algum ou ambos os lados feridos.
Eu já discuti com minha mãe (derrota antes de começar), já discuti com namoradas (idem), já discuti com mulheres desconhecidas (idem de novo), mas nunca havia discutido com um homem, até muito recentemente.
Discutir com mulheres a derrota é sempre garantida, elas são maravilhosas argumentadoras, independentemente da discussão, mas o pior tipo de discussão mesmo é a discussão do “joga na cara”, onde um fica relembrando as pisadas na bola do outro, é o tipo de discussão que eu mais odeio. Ou odiava, sei lá.
Recentemente tive uma discussão muito feia com um amigo, que começou de uma maneira, e acabou se transformando em mais uma discussão “joga na cara”.
Começou quando ele do nada lembrou de uma vez em que eu convidei ele para ir comigo num encontro duplo, e a amiga da garota com quem saí, era muito feia.
Então me lembrei da vez em que ele me ligou porque precisava de um porre para afogar as mágoas, pois tinha tomado um pé na bunda de sua namorada, e no meio da noite saiu com uma garota e me deixou sem carona.
Ele por sua vez, jogou na cara a vez que o chamei pra ir numa festa, dizendo que ia ser o maior festão, mas era o casamento de uma prima evangélica, onde predominava música gospel, refrigerantes e um churrasco mal assado.
Não deixando por menos, lembrei ele da vez que descemos para a praia de Bertioga, e deixei ele tomando conta das minhas coisas, inclusive carteira, enquanto fui nadar, e ele (bêbado) sentiu inveja e quis nadar também, e então enterrou nossas coisas na areia e caiu no mar, e nunca mais achamos nossos “tesouros” enterrados.
Não se sentindo intimidado, ele se lembrou da vez em que fomos para Cambuí em Minas Gerais, e quando ele quis ir para a cachoeira, tive a brilhante ideia de ir a pé, dizendo ser perto, mas eram 9 quilômetros, e então no meio do caminho pegamos caronas com duas mineiras motoqueiras, e o pezinho da moto em que ele foi estava quebrado, então ele, que estava descalço, pisou no escapamento, e levou duas semanas para se curar da queimadura.
Contrariado, lembrei da vez em que fomos para a Octoberfest, e ele perdeu as nossas chaves, do carro e dos quartos no hotel, justamente quando tinha encontrado duas catarinenses muito dispostas a se divertir, e eu fiquei o restante das férias sem falar com ele, afinal, eram catarinenses. Catarinenses, gente.
Já nervoso ele lembrou de quando fomos para o casamento do vizinho dele, e conhecemos duas garotas bem legais e bonitas, e então, bem depois, ele veio me dizer que na verdade a garota que ele estava era a que estava afim de mim, e então arrumamos um jeito de trocar, mas eu estava bêbado e esqueci de avisar que já tinha beijado a outra garota, que não quis ficar com ele, então acabou que fiquei com as duas.
Ofendido, lembrei da vez em que ele me chamou para ir à uma festa por causa de uma amiga que queria me conhecer, ela era bonita e tudo mais, mas no meio da noite fiquei sabendo que ela era casada com um cadeirante, que ficou paralítico devido a 3 tiros que tinha levado, aparentemente as partes baixas dele não funcionavam, mas segundo informações ele ainda era um cara bem perigoso.
E então ele ficou parado e gritou para que a gente se calasse, e prestássemos atenção no que estávamos fazendo.
E então ele olhou pra mim e riu muito, e no final disse:
“Cara, somos dois filhos da puta, se não formos amigos, seremos dois solitários, pois ninguém nos atura tanto quanto nós mesmos nos aturamos. Então deixa essa merda no empate e vamos para o bar!”
No final tomamos um porre e tudo ficou numa boa, agora não sei se odeio discussões “joga na cara” ou se amo, e se isso foi mesmo uma discussão ou não.
Porque toda discussão não pode ser assim?

Gill Nascimento

Anúncios
Deixe um comentário

16 Comentários

  1. Barbara Reccanello

     /  14 de julho de 2016

    Kkkkkk eu ri. Muito!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  2. a parte do ir pro bar beber juntos foi a melhor! Mas na boa, não acredito que perderam as Catarinenses.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • Cara, nem foi “perderam”, foi “perdi”, as duas iam comigo para o hotel é acabaram desistindo, seria alegria em dose dupla kkkkkkkkkkk
      Tenha uma excelente noite e um maravilhoso fim de semana!!!
      Abraço!!!

      Curtir

      Responder
  3. kkkk Me perdoe, mas, sua filha já sabe ler?

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  4. Accidenti al traduttore!
    Ho capito solo in parte 😦

    Curtir

    Responder
  5. Adorei kkkkkkk ri demais \o/ discussão boa em

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  6. KKK, muito bom, ri durante o texto todo. E já fui pensando, onde está o motivo da discussão?
    Só vi motivos que fortalecem o vínculo.
    Parabéns

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  7. Sensacional! Não foi discussão. É uma amizade!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: